BEM VINDOS!

BEM VINDOS ! Espaço exclusivamente utilizado para divulgação de dicas em saúde.
Seguindo as normas éticas do Conselho Federal de Medicina fica vedado ao médico prestar atendimento médico à distância e principalmente pela internet.
A conduta médica depende de avaliação clínica completa.Para maiores informações acessem www.lucianaspina.com.br . Boa leitura!

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Posicionamento da Sociedade de Endocrinologia sobre o Victoza

Acabei de receber esse carta escrita pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia. Aproveito que o assunto "está quente" para divulgar:

OFÍCIO Nº 214/SBEM/2011

Rio de Janeiro, 09 de setembro de 2011.



À Revista Veja



A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia vê com preocupação a reportagem “Parece Milagre!”, que estimula o uso, não autorizado pelas agências reguladoras, do medicamento liraglutida com a finalidade exclusiva de emagrecimento. No momento, a única indicação reconhecida para este produto é o tratamento do diabetes. Estudos estão sendo realizados em relação ao seu emprego no tratamento da obesidade acompanhada de complicações, mas ainda não foram publicados os resultados do acompanhamento de um número suficiente de pacientes para que esta indicação terapêutica seja aceita. Enquanto isso não acontecer, não concordamos com a prescrição da liraglutida para perda de peso em pessoas não por tadoras de diabetes.

A obesidade é uma doença crônica que pode ter graves consequências. Seu tratamento é difícil e são poucos os recursos terapêuticos disponíveis. Matérias como “Parece Milagre!” induzem a população a acreditar em uma solução mágica para este grave problema, o que não é verdade. Liraglutida é um medicamento novo e ainda serão necessários vários anos de farmacovigilância para correta avaliação de seus efeitos a longo prazo. A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia se prontifica a assessorar os órgãos de imprensa nos assuntos referentes aos distúrbios endócrinos e metabólicos, de modo a evitar que informações sem embasamento científi co sejam veiculadas à população.


Atenciosamente,
Dr. Airton Golbert
Presidente da SBEM
Dr. Ricardo Meirelles
Presidente da Comissão de Comunicação Social da SBEM

6 comentários:

  1. Informativo
    Sociedade Brasileira de Diabetes

    SBD e posicionamento sobre Liraglutide e Revista Veja


    A revista VEJA publicou uma reportagem, sendo inclusive matéria de capa, sobre uma medicação: a liraglutide (nome comercial: Victoza). Nesta reportagem relatam: “PARECE MILAGRE! Um novo remédio faz emagrecer entre 7 a 12 quilos em apenas cinco meses.”

    O liraglutide, é um fármaco sintético, e tem como ação primária aumentar as ações de hormônios intestinais como o GLP-1, que apresentam várias ações benéficas no organismo, principalmente no controle do metabolismo da glicemia agindo na biomodulação do glucagon e da insulina no pâncreas de pacientes diabéticos.

    Esses dados foram comprovados em diversos estudos clínicos, o que permite colocá-lo como mais uma interessante arma no controle da glicemia nos portadores dessa doença. Portanto, até o momento, essa é a única indicação disponibilizada pelas diversas agencias reguladoras em todo mundo: o tratamento da hiperglicemia em portadores de diabetes tipo 2.

    Além destes efeitos, estudos têm sinalizado para que esses fármacos também apresentem ações sacietógena central, redução na velocidade do esvaziamento gástrico e motilidade intestinal, levando, com isso, a perda de peso inicial nos diabéticos estudados.

    Droga similar já existe a cerca de cinco anos, chamada Exenatide (nome comercial: Byetta). A liraglutida apresenta algumas diferenças para o exenatide, entre elas a vantagem de aplicação única diária, e uma perda de peso maior. Esta perda de peso é inferior ao que foi mostrado na reportagem.

    O fator mais importante é que esta medicação foi lançada para tratamento de Diabetes tipo 2, associada à mudança de estilo de vida, e não para tratamento de obesidade. Quanto ao uso desse medicamento em obesos não diabéticos, os estudos são ainda escassos, se restringem a poucos pacientes, além de serem de curta duração. Estudos mais abrangentes encontram-se em curso, o que permitirá no futuro às agencias reguladoras e mesmo às Sociedade Médicas a possibilidade de avaliar de forma prudente e madura sobre a eventual indicação para o tratamento da obesidade.

    O próprio laboratório responsável pela liraglutide no Brasil está enviando nota para as entidades e aos médicos deixando claro este posicionamento.

    Este padrão de matéria cria vários problemas, como:
    1. Estimula uma fantasia na cabeça do paciente que existe uma medicação milagrosa que faz emagrecer rápido, inclusive desestimulando adequados hábitos alimentares e de exercício físico.
    2. O paciente procura o médico apenas para querer a prescrição, não valorizando inclusive doenças concomitantes associadas ao excesso de peso
    3. A lei da oferta e procura lança o preço para valores exorbitantes. Em Belo Horizonte está em R$ 394.00 reais e o estoque esgotado, com previsões de reposição somente para daqui a uma semana.
    4. Existem estudos para o uso da medicação em obesos, ou pelo menos IMC ≥ 27, mas ainda estão em andamento. Precisaremos no mínimo mais um ano para tomar conhecimento dos resultados, inclusive se haverão efeitos colaterais importantes.
    5. Estamos vendo uma repetição do que foi feito no passado com outras drogas que ofereceram uma mágica, obtiveram uma imensa venda no início e com o tempo foram retiradas do mercado, ou praticamente não são mais prescritas.
    6. Portanto, a Liraglutida não está indicada no momento para uso em obesos não diabéticos.
    A Sociedade Brasileira de Diabetes condena propagandas como esta, com um alto grau de sensacionalismo, aproveitando populações portadoras de problemas de saúde que podem levar a baixa estima, e por serem ávidos de soluções, se transformam num público fácil de serem persuadidos.

    Matérias como esta prestam um desserviço aos pacientes, e dificultam o trabalho de quem realmente deseja, baseado em ciência, prestar reais benefícios a quem necessita.


    Dr. Saulo Cavalcanti e Diretoria SBD

    ResponderExcluir
  2. Bom dia; eu sou diabética tipo 2, e em Março descobri que o meu indice glicemico estava a 230; comecei o tratamento com Glifage XR 750(dois comprimidos à noite) e minha taxa diminuiu para 120 mas ainda é alta(mesmo com exercicios e dieta). A minha dificuldade é perder peso, pois perco muito pouco. Entao minha medica indicou para que eu tomasse Onglysa 5mg associado ao glifage e comecei a toma-lo desde o dia 17/09. Minha duvida: esse medicamento Victoza ajudaria no meu caso????

    ResponderExcluir
  3. Em qual cidade você trabalha? Qual telefone de contato?

    ResponderExcluir
  4. Eu acho que a medicina está muito evoluída e creio que já inventaram muitos medicamentos que já poderiam ter salvo pessoas e a burocracia brasileira continua prevalecendo ..... eu vejo isso como um complô contra a saúde publica ... não sei a quem interessaria pessoas não se curarem... aliás .... sabemos sim ..... pensem nisso antes de falarem mal de remédios que CURAM.

    ResponderExcluir
  5. Olá, sou diabético Ttipo 1 a 22 anos (tenho 31) e minha glicose nesse último ano se mantem descompensada, tentei exercícios e usar glifagem XR, mas parece que meu corpo esta rejeitando a insulina a glifagem me dá muito enjôo... me trato no IEDE e o IEDE não marca consultas a quase 1 ano (dizem que por falta de médicos)... procurei uma médica em meu plano de saúde para fazer um acompanhamento, esta médica quando soube que me tratava no IEDE não quis me ajudar e disse que o foco dela era diabéticos tipo 2.
    Comecei a tomar victoza por conta própria (dose mínima), e meu resultados glicemicos foram espetaculares além de perder peso (tenho 168cm de altura e cheguei a pesar 89Kg, hj estou com 81Kg em 6 meses usando Victoza), diminui a dosagem de insulina NPH e não tenho tomado a insulina regular (faço 4 medições por dia), meu medo é que o Victosa me calse algum outro problema de saúde, no entanto ele tem me ajudado.
    Poderia me dizer se o Victoza pode me calsar algum outro problema de saúde?

    Abradeço a Atenção. Fique com Deus

    ResponderExcluir
  6. Olá, sou diabético Ttipo 1 a 22 anos (tenho 31) e minha glicose nesse último ano se mantem descompensada, tentei exercícios e usar glifagem XR, mas parece que meu corpo esta rejeitando a insulina a glifagem me dá muito enjôo... me trato no IEDE e o IEDE não marca consultas a quase 1 ano (dizem que por falta de médicos)... procurei uma médica em meu plano de saúde para fazer um acompanhamento, esta médica quando soube que me tratava no IEDE não quis me ajudar e disse que o foco dela era diabéticos tipo 2.
    Comecei a tomar victoza por conta própria (dose mínima), e meu resultados glicemicos foram espetaculares além de perder peso (tenho 168cm de altura e cheguei a pesar 89Kg, hj estou com 81Kg em 6 meses usando Victoza), diminui a dosagem de insulina NPH e não tenho tomado a insulina regular (faço 4 medições por dia), meu medo é que o Victosa me calse algum outro problema de saúde, no entanto ele tem me ajudado.
    Poderia me dizer se o Victoza pode me calsar algum outro problema de saúde?

    Abradeço a Atenção. Fique com Deus

    ResponderExcluir