BEM VINDOS!

BEM VINDOS ! Espaço exclusivamente utilizado para divulgação de dicas em saúde.
Seguindo as normas éticas do Conselho Federal de Medicina fica vedado ao médico prestar atendimento médico à distância e principalmente pela internet.
A conduta médica depende de avaliação clínica completa.Para maiores informações acessem www.lucianaspina.com.br . Boa leitura!

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Compulsão alimentar

Compulsão alimentar é uma doença mental em que a pessoa sente a necessidade de comer, mesmo quando não está com fome, e que não deixa de se alimentar apesar de já estar satisfeita.

Pessoas com compulsão alimentar comem grandes quantidades de alimentos em pouco tempo.

Durante o episódio de compulsão a pessoa sente perda de controle.

Existem alguns problemas que podem favorecer a compulsão alimentar:

  • Dieta realizada de forma errada: após dietas muito rígidas sem acompanhamento médico.
  • Comer por conforto emocional: Estudos apontam que pessoas que comem de forma compulsiva normalmente tem as mudanças emocionais como gatilho.
  • Estresse: A compulsão alimentar pode ser uma maneira da pessoa lidar com o estresse.
  • Problemas com a imagem corporal e autoestima: Pessoas com compulsão alimentar normalmente não gostam de sua aparência. Elas constantemente acham que deveriam comer menos, mesmo que não consigam fazer algo a respeito disso. A consequência da pessoa se sentir constantemente gorda e com medo de ganhar mais peso são constantes tentativas de compensar com dietas malucas, passando fome e tomando medicamentos para emagrecer.
  • Problemas emocionais mais graves: ligados a traumas no passado como abuso sexual, negligência, entre outros.
  • Atleta e artistas que são mais expostos a possíveis comentários externos sobre seu corpo, peso e alimentação.


Alguns dos sintomas da compulsão alimentar são:
  • ·         Comer mais rápido do que o normal
  • ·         Comer quando não está com fome
  • ·         Continuar comendo mesmo quando já está saciado
  • ·         Comer sozinho ou em segredo
  • ·         Sentir-se triste ou culpado por comer demais.



O tratamento ideal da compulsão é com uma equipe multidisciplinar: endocrinologistas psicólogos, psiquiatras, nutricionistas e educador físico, cada qual cumprindo uma importante função no entendimento e tratamento de cura da compulsão alimentar. Basicamente consiste em psicoterapia, reeducação alimentar e uso de medicações para controlar o apetite e estabilizadores do humor.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Receitas Especiais de Natal



Para não exagerar nas calorias nas festas de final de ano, veja algumas receitas indicadas para diabéticos e indivíduos que desejam perder peso.
Comer com moderação e evitar ingestão de álcool são dicas importantes para mantermos a saúde e iniciarmos o ano com mais qualidade de vida.

Feliz Natal e um Ano Novo com muita Saúde, Paz e Alegria!

1. Farofa Especial de Natal
Rendimento: 15 porções
Ingredientes:
• 1 cebola picada
• 1 maçã sem casca picada
• 1/4 de xícara (chá) de uvas-passas
• 2 colheres (sopa) de azeite de oliva
• 2 xícaras (chá) de arroz 7 grãos cozido
• 1/4 de xícara (chá) de tâmaras picadas
• 2 xícaras (chá) de farinha de mandioca flocada (tipo biju)
• 1/2 xícara (chá) de cheiro-verde picado
• 1 colher (chá) de sal
Preparo
Refogue a cebola, a maçã e as passas no azeite por 5 minutos. Acrescente o arroz, as tâmaras e a farinha de mandioca. Misture, adicione o cheiro-verde e desligue o fogo.
2. Bolo Natalino
Ingredientes :
Massa
• 1 mistura para bolo de cacau dietético
• 3 gemas
• ½ xícara de chá de leite desnatado
• 1 colher de sobremesa de margarina
• 40 g de nozes moídas
• 1 colher de café de baunilha
Recheio
• 1 xícara de chá de água
• 1 colher de sopa de margarina
• 2 colheres de sopa de leite em pó desnatado
• 5 colheres de chá de adoçante em pó do grupo I
Cobertura
• 5 claras
• 5 colheres de sopa de leite em pó desnatado
• 12 envelopes de adoçante do grupo I ou III
Modo de Fazer

Massa
Juntar todos os ingredientes e seguir as instruções do rótulo da massa. Acrescentar junto às nozes e a baunilha.
Recheio
Combinar todos os ingredientes no liquidificador e levar ao fogo em uma panela, mexendo bem até engrossar. Deixar esfriar e rechear o bolo.
Cobertura
Bater bem as claras até ponto de bico, acrescentar aos poucos o leite em pó e o adoçante. Cobrir o bolo com este glacê e levar à geladeira.
Rendimento: 12 porções
Valor Calórico: 122 Kcal / porção
Substituir 1 porção desta receita por 2 porções de pão.

3. Buche de Noel
Ingredientes:
Massa
• 6 claras
• 4 gemas
• 6 colheres de sopa de leite em pó desnatado
• 1 colher de sopa de farinha de trigo
• 2 colheres de sopa de adoçante em pó do grupo I
• 1 colher de sopa de fermento em pó
Recheio
• 4 colheres de sopa de leite em pó desnatado
• 2 xícaras de chá de água
• 2 colheres de sopa de maisena
• 1 colher de sopa de amêndoas torradas e picadas sem pele
• 1 colher de sopa de adoçante em pó do grupo I
Cobertura
• 4 colheres de sopa de leite em pó desnatado
• 1/4 xícara de chá de água
• 50 g de chocolate em barra diet (sem açúcar) picado

Modo de Fazer
Massa
Bater as claras. Juntar as gemas uma a uma e bater por mais 1 minuto. Adicionar o leite em pó, a farinha, o adoçante e o fermento já peneirados. Colocar e uma assadeira untada e deixar assar por 20 minutos. Desenformar em um pano úmido, enrolar junto com o pano e deixar por alguns minutos. Desenrolar, rechear e voltar a enrolar.
Recheio
Colocar numa panela o leite em pó já dissolvido na água e juntar a maisena. Levar ao fogo e mexer até engrossar. Retirar do fogo, juntar as amêndoas e o adoçante. Deixar esfriar.
Cobertura
Numa panela, colocar o leite já dissolvido na água e levar ao fogo para ferver. Juntar o chocolate picado e mexer até ficar totalmente derretido. Deixar esfriar e cobrir o rocambole.
Rendimento: 12 porções
Valor Calórico: 193 Kcal / porção
Substituir 1 porção desta receita por 1 porção de leite + 1 porção de pão.

4. Panetone
Ingredientes
• 1 tablete de fermento biológico fresco
• 1 colher de sopa rasa de farinha de trigo
• ½ xícara de chá de adoçante em pó do grupo I
• ¼ xícara de chá de água morna
• 1 pitada de sal
• 1 ovo
• 2 e ½ colheres de sopa rasas de margarina light
• ¼ xícara de chá de leite desnatado
• 250 g de farinha de trigo
• 50 g de uvas passas sem sementes, lavadas
• ½ colher de chá de essência de panetone

Modo de fazer
Em uma tigela colocar o fermento, a farinha de trigo, 1 colher de sopa do adoçante (retirado da ½ xícara) e a água. Misturar bem e deixar crescer até obter uma massa esponjosa (aproximadamente 15 minutos). Acrescentar o restante dos ingredientes e bater muito bem até formar bolhas.
Colocar em forma de papel própria para panetone de 500 g e deixar crescer até dobrar de volume (aproximadamente minutos).
Assar em forno pré-aquecido por cerca de 40 minutos.
Rendimento: 1 panetone de 16 porções
Valor Calórico: 88 Kcal / porção
Substituir 1 porção desta receita por 1 porção de pão + 1/2 porção de fruta.
5. Rabanada
Ingredientes
Rabanada
• 4 fatias de pão de forma diet amanhecido, cortadas em 2 triângulos
• 1 copo ( 240 ml ) de leite desnatado
• 1 colher de sopa de adoçante em pó do grupo I
• 1 colher de chá de baunilha
• 1 ovo inteiro
• 1 clara
Para polvilhar
• 1 colher de sobremesa de canela em pó
• 1 colher de sobremesa de leite em pó desnatado
• 1 colher de sobremesa de adoçante do grupo I ou III
Modo de Fazer
Mergulhar as fatias de pão, uma a uma, no leite misturado com o adoçante e a baunilha. Depois, passar no ovo batido junto com a clara. Arrumar as fatias numa assadeira untada com óleo previamente aquecida no forno.
Voltar a assadeira ao forno alto até o pão dourar (virar dos dois lados). Misturar a canela, o leite, o adoçante e polvilhar as fatias de pão.
Rendimento: 4 porções
Valor Calórico: 120 Kcal / porção
Substituir 1 porção desta receita por 2 porções de pão. Tente utilizar a troca com os alimentos apontados na lista a seguir. Caso tenha dúvidas não utilize o produto e consulte o Nutricionista.

6. Rabanada Light
Ingredientes
• 1 gema
• 3 claras
• 1/2 xícara (chá) de leite desnatado
• 4 colheres (sopa) de adoçante dietético em pó próprio para forno e fogão
• 1 colher (chá) de essência de baunilha
• 1 colher (sopa) de óleo
• 8 fatias grossas de pão para rabanada (150 g)
Para polvilhar
• 1 colher (café) de canela em pó
• 1 colher (sopa) de adoçante em pó próprio para forno e fogão
• 2 colheres (sopa) de leite em pó desnatado
Modo de preparo
Bata a gema e as claras, ligeiramente, com um batedor de arame, e misture com o leite, o adoçante e a baunilha. Mergulhe as fatias de pão nessa mistura, embebendo-as completamente.
Coloque metade do óleo em uma frigideira e grelhe 4 fatias de pão de cada vez, deixando dourar dos dois lados. Retire e polvilhe a canela misturada com o adoçante e o leite em pó.
Rendimento: 8 Unidades
Dica: Você encontra o pão para rabanada em padarias, mas pode substituir por 3 pães franceses adormecidos.

7. Sorvete Rápido de Panetone
Ingredientes
• 1 panetone diet de 500 g
• 1 kg de sorvete de creme diet
Modo de preparo
Esfarele o panetone e misture com o sorvete, até que forme uma massa bem homogênea. Leve ao freezer para firmar. Retire e sirva.
Rendimento: 12 porções
Dica: Você encontra o pão para rabanada em padarias, mas pode substituir por 3 pães franceses adormecidos.
Fonte: Sociedade Brasileira de Diabetes: http://www.diabetes.org.br/

Dicas de alimentação para festas de final de ano


Fim-de-ano se aproximando é sinônimo de muitas festas e comemorações. Normalmente os alimentos consumidos nessas reuniões são extremamente calóricos, ricos em gorduras, doces, sobremesas e bebidas calóricas. Preparei para vocês algumas dicas para comemorar sem exagerar nas calorias.

Dicas de Alimentação:
• Na véspera de Natal e no Reveillon procure fazer uma alimentação mais leve à base de carnes magras, vegetais folhosos e frutas variadas.
• Antes das festas faça um lanche saudável utilizando frutas, cereais integrais e queijo light.
• Na hora da ceia, em primeiro lugar faça um prato de salada. Coma à vontade. As fibras das hortaliças trazem saciedade.
• Combine pratos mais calóricos e elaborados com saladas variadas (utilizar vários vegetais folhosos como por exemplo: alface americana, rúcula, agrião, repolho, etc).
• Nas preparações dos alimentos substitua os produtos convencionais por lights (p.ex.: maionese, creme de leite, margarina, etc).
• Evite os molhos à base de maionese, dê preferência para os feitos com iogurte, limão ou os chutney (molhos à base de frutas
• Dê preferência às preparações assadas e grelhadas. Evite as frituras.
• Consuma frutas e sucos, como abacaxi, ameixa, goiaba, laranja, mamão, manga, maracujá, melancia, nectarina, nêspera e pêssego.
• Tire o foco da comida. O mais importante é estar com as pessoas, se confraternizar.
• Coma devagar até para perceber o quanto é suficiente para você!
Para uma Ceia mais saudável:
Prefira: carnes de aves (peru, frango, chester), peixes, lombo de porco magro, saladas verdes, frutas da estação (manga, pêssego, ameixa, uva, etc), legumes diversos, arroz e farofa elaborados com vegetais picadinhos (adicione frutas à farofa), sobremesas (frutas frescas, gelatinas, o tradicional Panetone - com moderação).
Frutas secas (uvas passas, tâmara, ameixa, damasco) e sementes (pistache, nozes, castanha, avelã, pecan), podem ser consumidas desde que haja moderação. Entre as frutas secas, o damasco é a fruta menos calórica.
Evite: carnes gordurosas (tender, leitão, costela, etc.), frituras, salgadinhos, alimentos muito condimentados, embutidos, maionese, queijos gordos (gorgonzola, provolone, cheddar, etc), massas com creme ou molhos cremosos (prefira molhos à base de tomate), creme de leite, catupiry, chantilly, refrigerantes e bebidas alcoólicas em excesso, prefira sucos naturais, chás e muita água. Recomendo até duas taças de champagne ou vinho nos dias de festa.
Boas Festas!

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Compulsão ou Ansiedade?


A compulsão alimentar é um transtorno alimentar comum, em que um indivíduo consome regularmente uma grande quantidade de comida de uma vez só ou come constantemente, mesmo quando não tem fome. Por vezes o indivíduo chega a se sentir fisicamente desconfortável por comer tanto.

||- Sinais de Compulsão Alimentar

Quem sofre do transtorno de compulsão alimentar consome grandes quantidades de comida de uma só vez ou come constantemente durante um determinado período (por exemplo, durante uma festa de aniversário), mas não costuma provocar vômitos ou diarreia, como os bulímicos. O transtorno de compulsão alimentar é habitualmente reconhecido por hábitos alimentares, tais como:

● Ingerir uma quantidade excessiva de comida, mesmo quando não tem fome;
● Comer até se sentir desconfortavelmente cheio ou mesmo agoniado;
● Esconder hábitos alimentares devido a vergonha ou embaraço;
● Esconder comida para episódios de voracidade;
● Esconder embalagens vazias ou caixas de alimentos e gerar lixo em excesso;
● Comer constantemente enquanto houver comida disponível;
● Comer quando está sob pressão ou se sente psicologicamente diminuído/a;
● Sentir-se subjugado/a, envergonhado/a e/ou culpado/a durante e/ou depois de um episódio de voracidade;
● Exprimir repugnância em relação a hábitos alimentares, peso, corpo ou aparência;
● Expressar descontentamento com a aparência, peso ou auto-estima.

||- Diagnóstico de Compulsão Alimentar

O transtorno de compulsão alimentar deve ser diagnosticado por um profissional qualificado, de acordo com os critérios de saúde mental reconhecidos. Estes critérios de diagnóstico incluem episódios cíclicos de alimentação em excesso e sensação de perda de controle durante os episódios, bem como episódios de compulsão alimentar com pelo menos três das seguintes características: comer depressa, comer até atingir mal-estar físico, comer quando não se tem fome, comer sozinho ou ter sentimentos de vergonha e culpa em relação à alimentação. Outros critérios incluem expressão de ansiedade ou angústia em relação à ingestão compulsiva, episódios de voracidade que ocorrem pelo menos duas vezes por semana durante um período mínimo de seis meses e compulsão alimentar sem recurso posterior a um método de purgatório (vómito auto-induzido, exercício excessivo, etc).

||- Obter Ajuda e Tratamento

Existe uma variedade de opções de tratamento que podem ser combinadas de acordo com as necessidades específicas do paciente. As opções de tratamento para o transtorno de compulsão alimentar incluem aconselhamento/terapia, aconselhamento ou terapia familiar, terapia cognitivo-comportamental (para alterar os comportamentos alimentares), frequência de grupos de apoio ou terapia de grupo e aconselhamento e planejamento nutricional.

Habitualmente, não usados alguns medicamentos anti-depressivos para auxílio ao tratamento psicoterápico.

O transtorno de compulsão alimentar é um transtorno alimentar comum, embora muitas vezes mal compreendido. Qualquer informação adicional deve ser procurada junto ao seu médico.

-- 
Dra Luciana Spina
Endocrinologista- Doutorado pela UFRJ
Programa de Diabetes e Hipertensão da SMSDC-RJ

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Mitos e verdades sobre a dieta cetogênica

Veja alguns mitos e verdades sobre a dieta mais famosa do momento: a Dieta Cetogênica

1 – Nas dieta Cetogênica o carboidrato precisa ser cortado totalmente?
Mito – Na dieta Cetogênica não é caracterizada necessariamente pela ausência total de carboidratos, até por que isso é quase impossível de se atingir (mesmo com o consumo somente de carnes), mas, sim, é caracterizada pela ingestão bastante baixa deles.
A ingestão de carboidratos nessa dieta está entre 20 a 50 gramas por dia. Além disso, o programa é caracterizado pela produção de corpos cetônicos pelo corpo para serem usados como energia ao invés da dependência forte em glicose como combustível. Isso só acontece quando o consumo de carboidratos é bastante reduzido e consumidos na forma de folhas e legumes de baixo índice glicêmico, como brócolis, couve, abobrinha e pimentão.

2 – Alimentos reais ficam, processados saem do cardápio
Verdade – A dieta cetogênica correta é baseada em uma alimentação forte, ou seja, no consumo de alimentos reais, nutritivos e não processados, refinados ou modificados. Ou seja, saem os pães, óleos vegetais, massas, farináceos, açúcares e entram as carnes, peixes, frutos do mar, ovos e outros tipos de gorduras naturais. O grande benefício desse tipo de dieta é a queima acelerada de gordura corporal, uma vez que o hormônio insulina tende a voltar a funcionar normalmente com a baixa dos níveis exagerados de glicose. Com a insulina mais baixa, a queima de gordura será promovida.

3 – Precisa ser uma dieta alta em proteínas?
Mito – Na dieta cetogênica o consumo natural de proteínas se mostra estável na faixa de 18% a 23% das calorias ingeridas. Uma dieta forçadamente alta em proteínas tenderia a não funcionar como cetogênica, pois o corpo transforma o excesso de proteínas em carboidratos internamente, o que acaba prejudicando a produção de corpos cetônicos, que é o que define está dieta.

4 – O corpo precisa da ingestão de carboidratos para funcionar
Mito – Existem gorduras essenciais e aminoácidos essenciais, mas não existem carboidratos essenciais. Mesmo que teoricamente conseguíssemos comer zero carboidratos, o corpo tem a habilidade de criar a quantidade necessária deles através de processos como a gluconeogênese.

5 – É necessário um período de adaptação
Verdade – A maioria das pessoas vêm de décadas de maus hábitos e de um estilo alimentar exagerado em carboidratos. Quando se decide começar uma dieta como a cetogênica, é necessário ter em mente que seu corpo, hormônios e metabolismo precisarão de um tempo para se adaptarem. Tipicamente o período de adaptação inicial dura umas duas semanas. Atletas podem levar até alguns meses. Ou seja, se a dieta for iniciada e você não se sentir com energia e bem-disposto, tenha em mente que o seu corpo precisa de tempo para se reorganizar de acordo com este seu novo estilo de vida.

6 – Com a dieta, o corpo passa a queimar mais gordura

Verdade – Como a dieta cetogênica prioriza o consumo de gorduras e reduz bastante o consumo de carboidratos, o corpo começa a priorizar os sistemas metabólicos para uso da gordura corporal como combustível e não mais contar unicamente com os carboidratos. A gordura queimada como energia é na forma de corpos cetônicos, os quais se tornam o novo combustível de alta octanagem tanto para os tecidos do corpo quanto também para o cérebro, que pode consumir até dois terços da sua necessidade energética de corpos cetônicos. Com a adaptação a uma dieta cetogênica, a pessoa tenderá a ter um uso de energia mais eficiente, menos flutuações de fome e gula e mais estabilidade e clareza mental.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Compulsão alimentar: Eu tenho?

Comer escondido e sentir culpa depois de comer pode ser um sinal de compulsão alimentar.

O compulsivo geralmente não deixa de beliscar o que sobrou na mesa ou mesmo repetir a refeição. Quando percebe que está comendo demais não consegue parar e muitas vezes a pessoa passa a comer longe dos outros para não repararem. Embora a maior parte das pessoas esteja sujeita a episódios esporádicos de gula, a forma como eles são encarados e suas consequências podem indicar a necessidade de buscar ajuda.

A princípio, ela pode ser entendida como um episódio de descontrole, em que são consumidas grandes quantidades de comida com sensação de perda de controle sobre o quanto se come. Em casos mais graves, ela recebe o nome de Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica, quadro que apresenta as características descritas anteriormente, mas com mais frequência e, além disso, gera desconforto. Para entender se você sobre do problema, veja se você se identifica com as situações abaixo descritas:

- Comer escondido

"Comer escondido é uma tentativa de fugir do julgamento alheio e até próprio", explica a psicóloga clínica Marisa de Abreu, de São Paulo. Desta maneira, o indivíduo busca fugir de críticas quanto à qualidade do que ingere e a velocidade com que o faz. Não confunda o hábito com um estado de sonambulismo, em que a pessoa come de madrugada, mas não se recorda de o ter feito. Neste caso, o isolamento é premeditado por vergonha da dificuldade de autocontrole.

- Comer rápido

Consumir os alimentos com rapidez é um quesito que faz parte dos critérios para diagnóstico da compulsão alimentar. "Embora a origem do hábito possa ser interpretada de várias maneiras, uma coisa é certa: quem come rápido tende a comer mais", aponta o psiquiatra Adriano. Isso acontece porque a sinalização da saciedade decorrente da liberação de determinados hormônios demora algum tempo para acontecer. Quanto mais rápido uma pessoa comer, portanto, mais comida ela irá ingerir até que se sinta saciada.

- Comer sem estar com fome

"O ato de comer nem sempre tem relação com a fome para quem sofre de compulsão alimentar", explica a psicóloga Marisa. Nesses casos, inclusive, é mais comum que a pessoa prefira consumir alimentos ricos em gorduras e carboidratos simples. Frituras, bolos, doces, fast food, ganham espaço. A comida deixa de funcionar como um combustível necessário para as funções vitais do organismo e passa a ser apenas fonte de prazer.

- Comer até se sentir mal

"O desconforto pelo consumo excessivo de alimentos acontece por conta da distensão gástrica sofrida pelo estômago", alerta o psiquiatra Adriano. O exagero, por sua vez, costuma ser decorrente da rápida ingestão de comida. Além disso, o indivíduo não come muito mais por satisfação emocional do que por necessidade física.

- Estar sempre comendo

Quem sofre de compulsão alimentar pode sentir necessidade de comer com mais frequência, já que a falta de comida cria um vazio emocional. "A sensação pode até ser a de fome, mas seu corpo não precisa de comida", aponta a psicóloga Marisa. Desta maneira, ele repete refeições e costuma estar sempre beliscando alguma guloseima.

- Comer para se sentir emocionalmente bem

"Diante de situações que causem sentimentos negativos ou muito positivos, é comum que a pessoa com compulsão alimentar desencadeie um episódio de descontrole", afirma o psiquiatra Adriano. Segundo ele, isso neutraliza o sofrimento, mas também serve como forma de comemoração ou recompensa.

- Sentir culpa após um episódio de descontrole

A sensação de culpa após um episódio de descontrole diante da comida é consequência da percepção de uma atitude que o indivíduo reconhece estar errada e diante da qual se sente incapaz de mudar. Isso também é normal acontecer com pessoas que se submetem a uma dieta muito restritiva. Em um dia colocam em risco semanas de dedicação.

quinta-feira, 23 de março de 2017

Emagrecer com Saúde: Dieta da Nasa PronoKal®


A dieta proteinada PronoKal®, também chamada de Dieta da Nasa, é um tratamento  para emagrecer baseado em uma dieta proteinada que inclui um fornecimento de proteinas de alto valor biológico sob a forma de preparados ( bebidas , sopas , cremes , sobremesas , omeletes ,pão ... ) , consumo de fibras sobre a forma de verduras ,  de complementos minerais e vitamínicos evitando assim a fadiga e os estados carenciais  e bastante água ( mais de 2L/ dia ).  Progressivamente os alimentos dos vários grupos  alimentares vão sendo incorporados à alimentação, incentivando a adoção de novos hábitos alimentares .
Nos primeiros 2-3 dias em que pode haver uma sensação de fome moderada, depois o mecanismo de cetose se inicia e a fome vai embora. Disposição física e bem estar enquanto as células de gorduras são metabolizadas para fornecer energia ao corpo. 
 A dieta Pronokal®  não é prejudicial a saúde por ser normoproteica, por isso chamada proteinada,  não sobrecarrega o fígado e os rins . Ao contrário melhora condições patológicas associadas a Obesidade como : Diabetes, Dores na coluna, Artrose , hipertensão arterial , hipercolesterolemia , resistência a insulina , apneia do sono, entre outras.
 A dieta  Pronokal ® substitui grande parte  da alimentação tradicional  , diminuindo  assim os custos em  compras de  supermercado e refeições em restaurantes . Com o avançar das etapas o consumo de preparados Pronokal® diminui, o que diminui bastante os custos do tratamento. A perda de peso tende a ser  mais rápida ( 7 a 10 kg /mês )  , o que faz com que a dieta atinja os resultados esperados com custos também limitados .
Numa fase inicial recomenda –se apenas exercício físico leve do tipo caminhadas .  No entanto , com a progressão da dieta , torna-se imperioso e fundamental a realização de exercício físico moderado visando  a manutenção do peso . Os produtos são fáceis de preparar e podem ser utilizados mesmo em ambiente de trabalho.

segunda-feira, 20 de março de 2017

Dieta à base de proteínas de alto valor biológico x dieta hipocalórica padrão

Um estudo desenvolvido ao longo de dois anos na Universidade General Hospital Gregorio Marañón (Espanha), recentemente publicado na revista científica Endocrine, constatou que, após 24 meses, com um programa de perda de peso à base de proteínas de alto valor biológico, foi possível perder mais que o dobro de peso, em comparação a uma dieta hipocalórica convencional.

A pesquisa iniciou com 79 participantes e foi concluída com 45 pacientes: 22 na dieta VLCD proteinada, e 23 na dieta de baixas calorias tradicional. A intervenção para ambos os grupos incluiu acompanhamento periódico com médicos e nutricionistas, grupos de discussão e orientação de atividade física, onde recebiam conselhos individuais e mensagens motivadoras.
Ao final de 24 meses, observou-se que no primeiro grupo, a perda foi de 12,5 Kg contra 5,2 Kg do segundo. Após o mesmo período, mais da metade (54,5%) dos pacientes do primeiro mantiveram a perda de mais de 10% do peso inicial, frente a apenas 13% dos que seguiram a dieta hipocalórica. Além disso, os pacientes do método proteinado apresentaram uma média de IMC - índice de massa corporal - menor que 30, saindo portanto da obesidade, o que não foi conseguido em nenhum momento pelos outros participantes.

O programa proteinado em questão é o Método PronoKal, de origem espanhola, que só pode ser prescrito por médicos, consiste numa dieta de muito baixas calorias, e oferece a quantidade certa de proteína que o corpo precisa. Nele, o paciente entra no estado de cetose, através do qual o corpo usa gordura para obter energia, ocorrendo a perda rápida e eficaz de peso, o que não acontece na dieta convencional.

De acordo com a Dra. Luciana Spina, Mestre e Doutora em Endocrinologia, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia e da Sociedade Americana de Endocrinologia, o estudo desmistifica a ideia de que dietas com perda rápida de peso estão associadas ao efeito rebote. "Trata-se do primeiro estudo a nível mundial comparando uma dieta cetogênica a uma dieta hipocalórica padrão por longo prazo", afirma.
Conforme o estudo, com o método não se atingiu a perda de peso só em quantidade, mas também em qualidade, porque houve uma redução 3 vezes maior de gordura visceral, em comparação ao grupo da dieta hipocalórica. "Esta é a gordura localizada na barriga, que é metabolicamente ativa e muito prejudicial à saúde, porque altera o colesterol e colabora para que a pressão arterial suba. Sua redução melhora especialmente o aspecto cardiovascular", explica a médica.

A médica ressalta que o sucesso da manutenção dos bons resultados do primeiro grupo está associado, não apenas à restrição calórica, mas também a uma reposição vitamínica adequada e a abordagem multidisciplinar que o método oferece. "O programa tem o objetivo de mudar o estilo de vida e melhorar a saúde de maneira global, mas não é indicado a todas as pessoas. É preciso ter indicação para segui-lo", alerta.

Fonte: http://www.pronokal.com/noticias

Estudo confirma eficácia da dieta à base de proteínas de alto valor biológico

O Método PronoKal, de origem espanhola, agora sendo chamado pelo público de " Dieta da Nasa", só pode ser prescrito por médicos e consiste numa dieta de muito baixas calorias, que oferece a quantidade certa de proteína que o corpo precisa. Nele, o paciente entra no estado de cetose, através do qual o corpo usa gordura para obter energia, ocorrendo a perda rápida e eficaz de peso, o que não acontece na dieta convencional.
De acordo com a Dra. Luciana Spina, Mestre e Doutora em Endocrinologia, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia e da Sociedade Americana de Endocrinologia, o estudo desmistifica a ideia de que dietas com perda rápida de peso estão associadas ao efeito rebote. “Trata-se do primeiro estudo a nível mundial comparando uma dieta cetogênica a uma dieta hipocalórica padrão por longo prazo”, afirma.
Conforme o estudo, com o método não se atingiu a perda de peso só em quantidade, mas também em qualidade, porque houve uma redução 3 vezes maior de gordura visceral, em comparação ao grupo da dieta hipocalórica. “Esta é a gordura localizada na barriga, que é metabolicamente ativa e muito prejudicial à saúde, porque altera o colesterol e colabora para que a pressão arterial suba. Sua redução melhora especialmente o aspecto cardiovascular”, explica a médica.
A médica ressalta que o sucesso da manutenção dos bons resultados do primeiro grupo está associado, não apenas à restrição calórica, mas também a uma reposição vitamínica adequada e a abordagem multidisciplinar que o método oferece. “O programa tem o objetivo de mudar o estilo de vida e melhorar a saúde de maneira global, mas não é indicado a todas as pessoas. É preciso ter indicação para seguí-lo”, alerta.


Fonte: http://www.pronokal.com/noticias

segunda-feira, 13 de março de 2017

Dieta proteinada ( Dieta da Nasa) x Dieta da proteína

Perder peso pode ser uma grande luta se não houver um tratamento bem planejado, com dietas prescritas por médicos. E mais: a luta pode ser em vão quando os quilos são recuperados a médio ou longo prazo. Com o objetivo de promover o emagrecimento rápido, mas de forma segura e saudável, a dieta proteinada promete atender pessoas obesas ou com sobrepeso que precisam de reeducação alimentar e controle definitivo do peso.

“Diferente da dieta da proteína tradicional, a dieta proteinada é normoproteica, ou seja, com quantidades normais de proteínas, e se difere das outras justamente por isso. Ela não sobrecarrega o fígado e os rins e não aumenta o colesterol. Ao contrário, ela melhora as condições patológicas associadas à obesidade, como diabetes e hipertensão arterial”, explica a endocrinologista da UFRJ, Luciana Spina.

Enquanto as dietas de proteínas tradicionais são de muito baixa caloria, promovem a perda de peso em maior velocidade e não devem ser feitas continuamente a longo prazo, a dieta proteinada segue o princípio de divisão de etapas.

“A primeira etapa se inicia com restrição de carboidratos, de calorias e processo de cetogênese que vai favorecer a perda rápida de peso com sensação de saciedade e bem-estar. Depois da perda de cerca de 80% da meta desejada, começa a segunda etapa de reeducação alimentar, na qual ainda existe restrição calórica e os carboidratos começam a ser introduzidos no cardápio. Por último, vem a terceira etapa, de manutenção, na qual existe equilíbrio entre o consumo e a ingestão de calorias, para manutenção de peso”, esclarece a especialista.

Na dieta proteinada, a ingestão de gorduras é limitada ao azeite extravirgem e ocorre diminuição dos níveis de colesterol, favorecendo um perfil lipídico mais saudável. Criada pela marca Pronokal (www.pronokal.com/bra), a dieta proteinada, também conhecida como dieta da NASA, já está presente em 15 países, sendo mais de 350 mil pessoas tratadas com o método.

As restrições da dieta são açúcar, arroz, leguminosas, pão, massa , doces, frutas e alguns legumes. Já as fontes de proteínas liberadas: ovos, carnes, aves (carne bovina, carne de porco, frango, peru, coelho, codorna e rã), peixes, mariscos e crustáceos. A quantidade é prescrita segundo as necessidades de cada pessoa.

Fonte: O Sao Goncalo

segunda-feira, 6 de março de 2017

Emagrecendo com Saúde

Dra Luciana Spina

A obesidade é uma doença crônica, que pode causar vários outros problemas de saúde. Como exemplo podemos citar o diabetes mellitus, alteração dos níveis de colesterol e triglicerídeos no sangue, hipertensão arterial, problemas respiratórios como a apnéia do sono, problemas osteoarticulares, digestivos e até aumento na incidência de alguns tipos de câncer. A obesidade aumenta o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares como infarto e acidente vascular cerebral (AVC), causada pelas alterações metabólicas e inflamatórias provocadas principalmente pelo excesso da gordura visceral. A obesidade também contribui para a perda da autoestima, depressão, ansiedade e isolamento social.

Como combater esse mal? O médico é fundamental para no tratamento da obesidade, pois somente com a avaliaçao clínica e realizaçao de exames laboratoriais poderemos rastrear e tratar as doencas coexistentes e escolher a melhor conduta terapeutica para cada caso.
Uma dieta traz sempre uma mudança nos hábitos alimentares. Seja por característica da própria abordagem de perda de peso, seja pelo metabolismo de cada um, podem ocorrer efeitos colaterais, com os quais poderá ser preciso lidar, para continuar o tratamento ou interrompê-lo, no sentido de não colocar a saúde do paciente em risco.

Ao se prescrever um plano terapêutico, o médico precisa estar atento as possíveis intercorrências clinicas que podem ocorrer durante o processo de emagrecimento, visando preservar a saúde do paciente. Exemplo, dietas muitos restritivas quando realizadas por muito tempo, sem reposição adequada de vitaminas e minerais podem causar anemia e deficiência de nutrientes que causam queda de cabelo, prisão de ventre, tonteiras e câimbras.
Por isso a necessidade de acompanhamento médico, realização de exames e suplementação de vitaminas e minerais, com intuito de promover perda de peso eficaz sem prejuízo a saúde dos pacientes. Métodos de emagrecimento mais atuais, baseados em dietas Proteinadas são exemplos de uma metodologia eficaz e segura no combate a obesidade.

O acompanhamento a longo prazo é fundamental para evitar reganho de peso. Há necessidade de uma adaptação metabólica do organismo após a perda acentuada de peso, quando normalmente existe uma queda do metabolismo. Nessa fase então as calorias devem ser introduzidas progressivamente. Devemos aproveitar esse período para trabalhar conceitos de mudança de estilo de vida com incorporação de uma alimentação saudável em conjunto com prática regular de atividade física. Esses pontos são fundamentais para o sucesso a longo prazo.

O médico pode solicitar o suporte de uma equipe multidisciplinar, com nutricionista, professor de educação física, e coaching emocional, que juntos vão trabalhar de acordo com o perfil de cada paciente. O trabalho em conjunto por diversos profissionais irão somar os esforços para uma abordagem mais integral ao paciente, propiciando ajuda na etapa de emagrecimento e cuidando para o resultado ser mantido a longo prazo.


Dra Luciana Spina
www.lucianaspina.com.br

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Emagrecendo com Saúde

Dra Luciana Spina

A obesidade é uma doença crônica, que pode causar vários outros problemas de saúde. Como exemplo podemos citar o diabetes mellitus, alteração dos níveis de colesterol e triglicerídeos no sangue, hipertensão arterial, problemas respiratórios como a apnéia do sono, problemas osteoarticulares, digestivos e até aumento na incidência de alguns tipos de câncer. A obesidade aumenta o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares como infarto e acidente vascular cerebral (AVC), causada pelas alterações metabólicas e inflamatórias provocadas principalmente pelo excesso da gordura visceral. A obesidade também contribui para a perda da autoestima, depressão, ansiedade e isolamento social.

Como combater esse mal? O médico é fundamental para no tratamento da obesidade, pois somente com a avaliaçao clínica e realizaçao de exames laboratoriais poderemos rastrear e tratar as doencas coexistentes e escolher a melhor conduta terapeutica para cada caso.
Uma dieta traz sempre uma mudança nos hábitos alimentares. Seja por característica da própria abordagem de perda de peso, seja pelo metabolismo de cada um, podem ocorrer efeitos colaterais, com os quais poderá ser preciso lidar, para continuar o tratamento ou interrompê-lo, no sentido de não colocar a saúde do paciente em risco.

Ao se prescrever um plano terapêutico, o médico precisa estar atento as possíveis intercorrências clinicas que podem ocorrer durante o processo de emagrecimento, visando preservar a saúde do paciente. Exemplo, dietas muitos restritivas quando realizadas por muito tempo, sem reposição adequada de vitaminas e minerais podem causar anemia e deficiência de nutrientes que causam queda de cabelo, prisão de ventre, tonteiras e câimbras.
Por isso a necessidade de acompanhamento médico, realização de exames e suplementação de vitaminas e minerais, com intuito de promover perda de peso eficaz sem prejuízo a saúde dos pacientes. Métodos de emagrecimento mais atuais, baseados em dietas Proteinadas são exemplos de uma metodologia eficaz e segura no combate a obesidade.

O acompanhamento a longo prazo é fundamental para evitar reganho de peso. Há necessidade de uma adaptação metabólica do organismo após a perda acentuada de peso, quando normalmente existe uma queda do metabolismo. Nessa fase então as calorias devem ser introduzidas progressivamente. Devemos aproveitar esse período para trabalhar conceitos de mudança de estilo de vida com incorporação de uma alimentação saudável em conjunto com prática regular de atividade física. Esses pontos são fundamentais para o sucesso a longo prazo.

O médico pode solicitar o suporte de uma equipe multidisciplinar, com nutricionista, professor de educação física, e coaching emocional, que juntos vão trabalhar de acordo com o perfil de cada paciente. O trabalho em conjunto por diversos profissionais irão somar os esforços para uma abordagem mais integral ao paciente, propiciando ajuda na etapa de emagrecimento e cuidando para o resultado ser mantido a longo prazo.


--
Dra Luciana Spina
Endocrinologista- Doutorado pela UFRJ
Programa de Diabetes e Hipertensão da SMSDC-RJ

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Alimentação saudável para pessoas idosas

1º passo: Faça pelo menos três refeições (café da manhã, almoço e jantar) e dois lanches saudáveis por dia. Não pule as refeições!
2º passo: Inclua diariamente seis porções do grupo dos cereais (arroz, milho, trigo, pães e massas), tubérculos como a batata, raízes como mandioca/macaxeira/aipim, nas refeições. Dê preferência aos grãos integrais e aos alimentos na sua forma mais natural.
3º passo: Coma diariamente pelo menos três porções de legumes e verduras como parte das refeições e três porções ou mais de frutas nas sobremesas e lanches.
4º passo: Coma feijão com arroz todos os dias ou, pelo menos, cinco vezes por semana. Esse prato brasileiro é uma combinação completa de proteínas e bom para a saúde.
5º passo: Consuma diariamente três porções de leite e derivados e uma porção de carnes, aves, peixes ou ovos. Retirar a gordura aparente das carnes e a pele das aves antes da preparação torna esses alimentos mais saudáveis!
6º passo: Consuma, no máximo, uma porção por dia de óleos vegetais, azeite, manteiga ou margarina.
7º passo: Evite refrigerantes e sucos industrializados, bolos, biscoitos doces e recheados, sobremesas doces e outras guloseimas como regra da alimentação. Coma-os, no máximo, duas vezes por semana.
8º passo: Diminua a quantidade de sal na comida e retire o saleiro da mesa.

9º passo: Beba pelo menos dois litros (seis a oito copos) de água por dia. Dê preferência ao consumo de água nos intervalos das refeições.
10º passo: Torne sua vida mais saudável. Pratique pelo menos 30 minutos de atividade física todos os dias e evite as bebidas alcoólicas e o fumo.

Além da alimentação saudável, a atividade física é importante para manter um peso saudável. Movimente-se! Descubra um tipo de atividade física agradável! O prazer é também fundamental para a saúde. Caminhe, dance, brinque com crianças, faça alguns exercícios leves. Aproveite o espaço doméstico e os espaços públicos próximos a sua casa para movimentar-se. Convide os vizinhos e amigos para acompanhá-lo.

Evitar o fumo e o consumo freqüente de bebida alcoólica também ajuda a diminuir o risco de doenças graves, como câncer e cirrose, e pode contribuir para melhorar a qualidade de vida. Mantenha o seu peso dentro de limites saudáveis!
Fonte:
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Alimentação saudável para a pessoa idosa: um manual para profissionais de saúde. Brasília, 2009

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Orientações para ganho de peso



Dra Luciana Spina


Nem sempre comer de tudo e em grande quantidade é a melhor maneira para se obter um aumento de peso. Ganhar alguns quilos pode ser ainda mais difícil do que emagrecer.
É preciso ter cuidado para não adquirir gordura, mas sim aumentar a massa muscular.


O ideal é planejar uma reeducação alimentar, que ajude você a fazer as escolhas certas, uma alimentação saudável e variada.


veja abaixo algumas dicas:

• Coma sempre devagar e mastigue bem os alimentos, para que os nutrientes possam ser melhor absorvidos  pelo organismo;
• Não coma vendo televisão, lendo revista ou jornal;
• Faça de (04) quatro a (06) seis refeições por dia;
• Evite ficar sem se alimentar por mais de 3 horas, só assim irá atingir o valor calórico que precisa durante o dia;
• Faça sempre um lanche entre as principais refeições;
• Prefira pão integral ao branco, por ser rico em vitaminas do complexo B, que auxiliam no metabolismo dos carboidratos melhorando a produção de energia;
• Consuma alimentos bem concentrados como: sopas grossas, pirões e cremes bem mexidos ou caldos suculentos;
• Consuma frutas secas como: uvas passas, ameixas, bananas, etc...;
• Reforce sempre a alimentação com mais carboidratos, cereais, legumes, arroz, massas, leite e derivados, carne, ovos e proteínas;
• Evite o consumo de alimentos com alto teor de gordura saturada (gordura animal) e também as frituras e os refrigerantes;
• Não consuma sal em excesso, ele aumenta a retenção de líquidos;
• Os doces também são compostos por carboidratos, mas em geral, também são ricos em gordura saturada e colesterol, que em longo prazo, podem elevar o colesterol;
• Use e abuse das frutas, verduras e legumes, além de fornecer fibras, são esses grupos que fornecem muitas vitaminas essenciais para o bom funcionamento do corpo; frutos oleaginosos como castanha-do-pará, nozes, amendoim e amêndoa podem ser incluídos nos lanches durante o dia;
• Prefira o azeite de oliva, por exemplo, à manteiga ou margarina. O azeite de oliva apresenta menor quantidade de gordura saturada, além de maiores quantidades de gordura monoinsaturada, que auxilia no aumento do HDL colesterol (comumente chamado de “bom” colesterol).
• Inclua nos lanches entre as refeições alimentos como: 1 banana ou 1 xícara de cereais ou 1 xícara de leite integral ou 2 torradas ou 1 colher de sopa de geléia ou 1 copo de vitamina de frutas e leite ou 1 pão com queijo ou 1 barra de cereais.


As vitaminas cumprem papel fundamental no ganho de peso. As vitaminas do complexo B são fundamentais. É comum encontrar baixo peso em indivíduos com deficiência de vitaminas e sais minerais - e o complexo B supre essa necessidade.

O apetite costuma aumentar com a suplementação de vitamina B. Além disso, elas fortalecem o corpo e promovem bem-estar, ajudando a manter a saúde da pele, do cabelo, do figado e dos olhos.

Substâncias que aumentam o apetite como o Carnabol também podem ser utilizadas à critério médico, sempre com avaliação e indicação clínica.

Ele também ajuda na absorção de proteínas e vitaminas do complexo B pelo corpo e atua estimulando o apetite o que aumenta a quantidade de calorias ingeridas diariamente.

Incluir vitaminas com frutas e shakes na dieta para engordar também é uma boa opção para quem quer ganhar peso. Uma opção hipercalórica para tomar no café da manhã é com banana e aveia, mistura que ajuda a aumentar a ingestão de calorias saudáveis e proporciona mais disposição.

A prática regular de exercícios físicos também faz parte da dieta para engordar, contribuindo ainda para melhorar a forma física.

Nesse caso, a melhor atividade a se fazer é a musculação, pois além de ajudar a queimar gorduras, também estimula a produção e o aumento de massa muscular.

Vale lembrar que é indicado sempre ter orientação e acompanhamento profissional, para que o treino seja criado de acordo com as características e objetivos de cada pessoa.

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Infecção pelo ZIKA vírus




Dra Luciana Spina
Em 80% dos casos a doença pode ser assintomática. Quando os sinais aparecem, em geral de 7 a 10 dias depois da picada, podem ser semelhantes aos da dengue, porém tão menos agressivos que chegam a ser confundidos com os sintomas de uma virose comum. Como desaparecem espontaneamente depois de três a sete dias, na maioria dos casos, as pessoas nem chegam a procurar assistência médica e não recebem o diagnóstico da doença.
Veja os sintomas que fazem parte do quadro típico da infecção pelo Zika virus:

• Febre por volta dos 38 graus;

•  Aumento dos gânglios linfáticos;

• Dor de cabeça, no corpo e nas articulações (que pode durar várias semanas);

•  Erupção cutânea acompanhada de coceira intensa que pode tomar o rosto, o tronco, os membros e atingir a palma das mãos e a planta dos pés;

• Fotofobia (sensibilidade à claridade intensa);

• Conjuntivite (olhos vermelhos, inflamados, lacrimejantes e sem secreção purulenta);

• Diarreia, náuseas, mal-estar;

• Cansaço extremo.

O diagnóstico é basicamente clinico. O médico leva em conta os sintomas e o histórico do doente. Existem exames específicos para pesquisar a presença de anticorpos ou fragmentos dos vírus no sangue do paciente solicitados em determinadas situações.
Casos confirmados de microcefalia indicam que as mães foram infectadas pelo vírus nos primeiros meses de gravidez. Estudos recentes indicam também uma ligação entre o Zika virus e a Síndrome de Guillain-Barré, doença autoimune que provoca fraqueza muscular e paralisia. Essas são as principais complicações dessa virose.

Por enquanto, a única forma de prevenir a infecção é combater os criadouros dos mosquitos, que proliferam em depósitos de água parada nas proximidades das residências.


Não existe tratamento específico contra a infecção pelo Zika virus. Como nas outras viroses, certos medicamentos – analgésicos, anti-inflamatórios, antialérgicos e colírios – são úteis para aliviar os sintomas. Remédios que contêm ácido acetilsalicílico devem ser evitados. Deve-se permanecer em casa, em repouso, redobrar os cuidados com a hidratação e ingerir uma alimentação saudável e balanceada.

Como prevenir a Gripe H1N1



Dra. Luciana Spina

Para proteger-se contra a infecção ou evitar a transmissão do vírus:
* Lavar frequentemente as mãos com bastante água e sabão ou desinfetá-las com produtos à base de álcool;
* Jogar fora os lenços descartáveis usados para cobrir a boca e o nariz, ao tossir ou espirrar;
* Evitar aglomerações e o contato com pessoas doentes;
* Não levar as mãos aos olhos, boca ou nariz depois de ter tocado em objetos de uso coletivo;
* Não compartilhar copos, talheres ou objetos de uso pessoal;
* Suspender, na medida do possível, as viagens para os lugares onde haja casos da doença;
* Procurar assistência médica, se o doente pertence a um grupo (crianças pequenas, idosos, portadores de doenças crônicas) de risco e se surgirem sintomas que possam ser confundidos com os da infecção pelo vírus H1N1 da influenza tipo A. Nos outros casos, permanecer em repouso e tomar bastante líquido para garantir a boa hidratação.
FONTE:  Center Deseases Control (CDC)

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Razões ocultas para o ganho de peso

Está engordando e não sabe porquê?
Veja abaixo algumas razões ocultas para o ganho de peso que nem sempre ocorrem pelo excesso de ingestão de alimentos gordurosos e o excesso de carboidratos.
1.    Metabolismo mais lento pela idade ou pela menopausa
2.    Hipotireoidismo
3.    Depressão
4.    Intestino preguiçoso ou prisão de ventre
5.   Alimentos que incham a barriga e provocam gases (feijão, cerveja, leite, milho, brócolis, repolho, couve-flor, cebola, alho)
6.    Falta de nutrientes por má qualidade de alimentação:  deficiência de vitaminas e minerais como a vitamina D, magnésio e ferro podem causar cansaço e menos disposição para atividade física.  Deficiência de serotonina podem deflagrar episódios de compulsão alimentar.
7.    Medicamentos:  Um dos efeitos adversos de vários medicamentos é o ganho de peso, como o dos betabloqueadores, corticoesteróides, medicamentos hormonais e alguns outros comumente usados para enxaqueca podem aumentar o apetite.
8.    Estresse e ansiedade


Converse com seu médico sobre isso e tente entender melhor o que está acontecendo com você.

Escrito por: Dra Luciana Spina

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Carnaval Com Saúde



Quem vai pegar a estrada nesse Carnaval e corre o risco de ficar engarrafado deve estar preparado para não comprometer a sua saúde e de seus familiares. Uma boa sugestão é levar água e frutas frescas no carro. Cuidado com sanduíches feitos com pasta de maionese e presunto, pois com o calor podem estragar e causar infecção intestinal.

Durante os dias de Folia devemos beber líquidos com muita freqüência, o ideal é ingerir cerca de 3 litros por dia, incluindo água, chá gelado, sucos naturais de frutas e água de coco.

Os isotônicos não devem ser tomados ''como água'', pois contêm teores muitos elevados de minerais e açúcar. Devemos evitar refrigerantes, sucos de garrafa e bebidas estimulantes ricas em cafeína. Cerveja com moderação! E se beber não dirija! Procure sempre compensar a cerveja bebendo o dobro de um líquido não alcoólico para evitar ressaca no dia seguinte Outra dica importante é observar a procedência da água que estamos bebendo, de preferência deve ser água mineral e se comprada na rua observar se a tampa possui lacre de proteção. Na dúvida compre água em lojas de grande rede e leve com você na bolsa! O mesmo cuidado vale na hora de pedir gelo. Prefira o gelo industrializado (em cubos, redondo) ao gelo raspado.

Não esqueça que a roupa deve ser leve, folgada, de cor clara e permitir boa evaporação do suor. Evite tecido sintético. Prefira as roupas de malha ou algodão e não deixe de usar protetor solar nas áreas expostas. Procure usar um protetor solar à prova de água e se o sol estiver forte leve com você para repassá-lo mais tarde. Não fique diretamente exposto ao sol, procure passar a maior parte do tempo na sombra e não esqueça de usar chapéu ou boné. Evite a insolação! A escolha dos sapatos também é importante-devem ser confortáveis. Para os homens: Evite ficar sem camisa! A roupa é uma proteção para o corpo. Principalmente as crianças devem ser protegidas com barracas de sol, chapéus e protetor solar. E muita água, é claro! Lembre-se que as crianças são mais sensíveis ao calor e ao sol forte. Não deixe os pequenos abusarem! E lembre-se de levar o repelente, pode ser necessário.

Quanto à alimentação para quem vão desfilar na avenida ou enfrentar maratonas de bailes de Carnaval, algumas dicas: Os cuidados devem começar antes da folia, com uma alimentação leve e equilibrada. Alguns cuidados devem ser tomados durante o Carnaval visando uma boa hidratação e suficiente fonte de energia para não haver comprometimento da saúde. A alimentação nos dias de folia deve ser baseada em frutas, verduras, legumes, alimentos ricos em carboidratos (arroz, massas, batatas, pães e cereais) e proteínas (carnes magras, peixes). Leite desnatado e queijo branco são excelentes fontes de proteínas, assim como a soja e seus derivados. Barrinhas de cereais e frutas secas também são fontes de energia, além de serem práticas e fáceis de levar na bolsa. Evite o consumo de alimentos de difícil digestão como a maionese, queijos amarelos, manteiga, creme de leite, doces e carnes gordurosas. Os molhos das massas e os recheios dos pães e sanduíches devem ser leves.

Evite os lanches que vendem na rua (churrasquinho, camarão, cachorro-quente, sanduíches), pois normalmente são preparados em precárias condições de higiene e podem fazer mal à saúde. Leve um sanduíche preparado em casa, é mais seguro!
Recuperar o “gás” também é importante. Procure dormir no mínimo 8 horas por noite para se restabelecer para o próximo dia. Nos intervalos dos desfiles ou nos bailes, procurar descansar um pouco e lembrar de colocar as pernas pra cima, facilitando a circulação de retorno das pernas. E procure sempre se alongar.

Após uma noite de folia comece o dia com um café da manhã reforçado com pão integral, suco natural de fruta, queijo branco ou iogurte desnatado.
Se você gosta de praia e pretende passar a noite dançando em algum baile se programe para descansar um pouco entre as duas atividades. Passar o dia na praia pode ser bastante desgastante para o organismo, então, após uma refeição leve e nutritiva procure tirar uma “sonequinha” e se recuperar para a noite. Lembre-se: ao comer ou beber demais, nunca tome banho de mar!
Não existe um máximo de bebida alcoólica tolerável, depende de cada organismo, cada um apresenta uma sensibilidade diferente. Porém deve ser evitada em casos de problemas de saúde como o diabetes, obesidade, pressão alta, colesterol e triglicerídeos elevados, uso de certas medicações e se a pessoa for conduzir o carro, é claro!

Brinque bastante mais sem risco para sua saúde. Carnaval com responsabilidade!